Um livro para despertar a imaginação

20/03/2017 10:53:15 - Atualizada em 22/03/2017 11:52:46 - Por Samira Ramos

Paula auxilia Ananda a conhecer os livros.

O Colégio Diocesano desenvolve um programa de educação inclusiva que visa responder às necessidades educacionais da diversidade de alunos da instituição, tendo como atividades o apoio pedagógico em sala de aula e o serviço de Atendimento Educacional Especializado (AEE). Uma das propostas do programa é adaptar materiais didáticos que possibilitem o aprendizado do aluno. Pensando nisso, Paula Brígida, acompanhante pedagógica da aluna Ananda Alícia Couto da Costa do 3º ano do Ensino Fundamental produziu livros interativos, baseados nos paradidáticos “Outros Contos Africanos para crianças brasileiras”, do autor Rogério Andrade Barbosa e “O livro mágico”, de Kuang-Ts’ai Hai.

Ananda pode interagir com os objetos do livro.

Ananda, de 10 anos, tem deficiência visual e é acompanhada por Paula desde o 1º ano do Ensino Fundamental. Percebendo a necessidade de ampliar o vocabulário de conhecimento e como forma de aprimorar a capacidade de abstração e comunicação da aluna, Paula adaptou as obras literárias, confeccionando livros maiores, com personagens físicos e texto em braile. A pedagoga utilizou materiais diversificados como isopor, tinta e argila para criar os cenários das histórias e diz que Ananda conquistou mais propriedade no processo de aprendizagem. “O material adaptado da mais autonomia e segurança para assimilar conteúdos, já que a criança tem o exemplo concreto ou uma representação dele em mãos”. Ananda adora ouvir histórias e conta a narrativa dos livros com desenvoltura. “Eu gostei muitos dos personagens e quando escuto histórias viajo no mundo da imaginação”.

Para a confecção do livro, foram utilizados diversos materiais que proporcionam o alto relevo.

Além do acompanhamento pedagógico em sala, os alunos com Necessidades Educacionais Especiais (NEEs), diagnosticados com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação dispõe de complementação ou suplementação curricular no serviço de Atendimento Educacional Especializado (AEE). Segundo a psicopedagoga, Sara de Carvalho Almeida da Silva o atendimento é feito semanalmente e a partir de um plano individualizado, com atividades desenvolvidas de acordo com a necessidade do aluno. “Construímos um atendimento para cada criança e traçamos estratégias para favorecer a promoção da autonomia e independência dos alunos”.



Deixe um comentário

0 Comentário