Diretora acadêmica do Diocesano dá palestra sobre Educação Inclusiva em Minas Gerais

01/06/2017 11:52:19 - Atualizada em 01/06/2017 11:53:54 - Por Camila Oliveira

A diretora acadêmica do Colégio Diocesano, professora Margareth Santos, conduziu uma capacitação sobre Educação Inclusiva na Escola Técnica de Eletrônica Francisco Moreira da Costa (ETE FMC), situada no município de Santa Rita do Sapucaí, em Minas Gerais. Na ocasião, estiveram presentes professores da ETE FMC, instituição que também é integrante da Rede Jesuíta de Educação (RJE).

A Educação Inclusiva tem por objetivo propiciar o convívio entre alunos que apresentem ou não alguma necessidade educativa especial, garantindo que todos tenham as mesmas oportunidades de aprendizagem. “O grande papel da escola não está na transmissão, mas no compartilhamento de conhecimento. E educar de maneira inclusiva é reafirmar o direito de todos à educação, independentemente de suas diferenças”, relata a professora.

A proposta pedagógica da RJE contempla o princípio da inclusão escolar e, segundo a professora Margareth, é a realidade viva dos colégios jesuítas. “Os centros de aprendizagem da RJE sempre se diferenciaram pelo seu modo de proceder e por oferecer uma educação da melhor qualidade. Constantemente nos aperfeiçoamos, atendendo às demandas da sociedade, sem perder a referência de nossos valores e princípios, para que possamos proporcionar o essencial para todos os estudantes: garantias de aprendizagem e de seu protagonismo nas unidades”, afirma.

Professora Margareth Santos palestrou aos professores da ETE FMC

A docente Carmem Lúcia dos Santos percebe que “a ETE FMC tem buscado mais do que atender às imposições da lei e oferece uma educação personalizada a todos, atendendo a cada necessidade especial de seus alunos”. E completa: “Pela contextualização histórica realizada pela professora Margareth, vimos o quanto as instituições de ensino avançaram no que diz respeito à inclusão”.

Margareth ainda reforça que todas as escolas devem acolher as necessidades de cada aluno, “quaisquer que sejam suas condições físicas, sociais e linguísticas, incluindo aqueles que vivem nas ruas, os que trabalham, os de minorias étnicas, culturais e sociais, além dos que se desenvolvem à margem da sociedade”

No intuito de apresentar aos docentes novos horizontes e diversas possibilidades de abordagem pedagógica, foram discutidas as dificuldades que podem ser apresentadas pelos estudantes durante o processo de aprendizagem e as possíveis intervenções do professor em sala de aula, enquanto facilitador da transmissão do conhecimento.

Fonte: Ascom ETE FMC

Deixe um comentário

0 Comentário