Diocesano atento às políticas públicas para o idoso

15/06/2016 12:12:29 - Atualizada em 15/06/2016 17:11:08 - Por Ana Carolina Dias

Atividades físicas ajudam na autoestimaO Colégio Diocesano, da Rede Jesuíta de Educação, mantém há seis anos o Núcleo de Promoção da Terceira Idade - Projeto Antônio Carneiro visando o bem-estar do idoso, a saúde e o fortalecimento dos vínculos familiares. Este projeto atende 317 idosos, entre 60 e 84 anos, oferecendo a mulheres e homens uma vida mais digna e saudável. Hoje, Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, 15 de junho, é necessário refletir sobre os maus-tratos e a atual situação das pessoas da “melhor idade” no País.

De acordo com dados do Centro de Referência em Direitos Humanos, divulgados pelo Conselho Municipal dos Direitos dos Idosos, de janeiro a maio de 2016, foram recebidas 131 pessoas idosas vitimadas e destas apenas 116 denunciaram o agressor. Violência é violação de direito humano fundamental e pode ser caracterizada como agressão/abuso físico ou maus-tratos, agressão/abuso psicológico, ameaça, assédio sexual, abuso financeiro, negligência e abandono. Segundo dados da Delegacia do Idoso, divulgados pelo portal Cidade Verde, os casos de violência contra idosos crescem a cada ano no Piauí. Foram 1.500 registros em 2015 e só nos primeiros meses deste ano já foram 1.000 casos. O levantamento aponta, ainda, que 74% das ocorrências correspondem à violência domiciliar.

Atento ao cuidado com as pessoas idosas e considerando a importância de proporcionar melhorias à saúde delas, o Projeto Antônio Carneiro oferece atividades físicas, lúdicas, recreativas e educativas, além de celebrações eucarísticas mensais e comemorações. O projeto nasceu no Centro Social Pedro Arrupe, da Companhia de Jesus e o Diocesano assumiu a responsabilidade do trabalho, garantindo os recursos necessários para levar adiante as atividades.

Integrantes do projeto participam de curso de arranjo de floresAs ações do núcleo são desenvolvidas de forma contínua, com atendimento permanente, prestação de serviços e atividades que possuem a finalidade de proporcionar qualidade de vida e fortalecimento de vínculos familiares e comunitários das pessoas idosas. Os participantes do projeto ainda recebem atendimento odontológico em parceria com o Centro de Saúde Pedro Arrupe (CSPA), também da Companhia de Jesus.

De acordo com o diretor geral do Colégio Diocesano, Ir. Raimundo Barros, SJ, as políticas públicas atuais voltadas para as pessoas da terceira idade ainda são deficientes, deixando desassistido esse segmento populacional que necessita de grande investimento na melhoria da qualidade de vida. O diretor afirma que o trabalho com idosos é uma alternativa da Companhia de Jesus para ajudar na melhoria das condições de vida dessas pessoas. “Queremos garantir um espaço de convivência onde os idosos se sintam acolhidos e protegidos. Fazer com que possam desfrutar do prazer de viver”, ressalta.

Dados da OMS

Conforme o Relatório Mundial de Saúde e Envelhecimento (OMS), o número de pessoas com mais de 60 anos no país deverá crescer muito mais rápido do que a média internacional. Enquanto a quantidade de idosos vai duplicar no mundo até o ano de 2050, ela quase triplicará no Brasil.

No Brasil a porcentagem atual é de 12,5% de idosos, deve alcançar os 30% até a metade do século. Logo seremos considerados uma nação envelhecida — conforme a OMS, essa classificação é dada aos países com mais de 14% da população constituída de idosos, como são, atualmente, França, Inglaterra e Canadá, por exemplo.

A assistente Social do Projeto Antônio Carneiro, Juliana Karine Melo, afirma que no início a atuação do projeto se concentrava na realização de atividades físicas, mas que foram observadas outras necessidades. “Hoje trabalhamos para atender outras demandas como atividades lúdicas e palestras educativas para proporcionar cidadania e garantia dos direitos”. Ela diz que muitos idosos desconhecem direitos e sofrem discriminação. O trabalho com os participantes do projeto é aliado a um trabalho com a família, no sentido de conscientizar sobre a importância do respeito e sua segurança. “Manter vínculos familiares saudáveis é um passo importante para a diminuição da violência”.

As atividades físicas, como hidroginástica, maculelê, forró terapia, movimento corporal com variações musicais, trabalham a autoestima e estimulam a autonomia como forma de conscientização do próprio corpo. É o que defende a Educadora Física do projeto, Maria dos Remédios Andrade. “Os resultados são perceptíveis, na locomoção e postura. Muitos idosos chegam com movimentos lentos e aos poucos apresentam melhoras na agilidade e desenvoltura”.

As integrantes do Projeto Antônio Carneiro, Maria do Socorro de Sousa Nunes, 62 anos e Vilma Lino de Carvalho, 67 anos confirmam as melhoras e falam sobre qualidade de vida. “Lá (no projeto) somos uma família. Temos um entrosamento muito bom”, afirma Maria. Vilma fala sobre as mudanças em sua vida e que tem muito o que aproveitar. “Eu tinha uma vida muito eu sinto rotineira, hoje como se voltasse a ser criança. Só quero me divertir!”.

Deixe um comentário

0 Comentário