Aulas remotas: como otimizar o seu bem-estar físico e mental?

16/06/2020 07:00:00 - Atualizada em 16/06/2020 07:23:02 - Por Samira Ramos

Computadores, telefones celulares, tablets, notebooks... todos esses aparelhos, velhos conhecidos dos adolescentes, passaram a ser vistos com outros olhos durante a pandemia. O que antes era tido como ferramentas para lazer ou de auxílio na hora de estudar, hoje é visto como meio para que as aulas do ano letivo 2020 possam continuar. Isso, consequentemente, significa passar quase 6 horas de frente para a tela, tomando notas e assistindo às explicações dos professores virtualmente!

Considerando o cansaço que inevitavelmente se instala, seja ele em forma de fadiga física ou visual, devido ao formato de aulas remotas, o Colégio Diocesano inseriu um intervalo de 10 minutos entre as aulas para que os alunos façam alongamentos e relaxem. Ainda por essa razão, o Serviço de Psicologia Escolar, em parceria com o departamento de Educação Física, desenvolveu um projeto voltado para o incentivo de práticas de Ginástica Laboral.

Por meio de vídeos gravados pelos professores da disciplina, estudantes e professores são orientados sobre tipos de alongamentos que podem ser feitos em casa e, principalmente, orientações sobre a postura correta de sentar-se para estudar e trabalhar. Como lembrado pela professora de Educação Física Maysa Lima, “A má postura pode causar uma série de problemas futuros como dores nas costas e na região do pescoço, inflamações dos tendões, fadiga e até desvios posturais”.

Estudantes Arthur Kaue e Melanie demonstram alguns dos alongamentos

Para evitar o surgimento desses problemas, é recomendado que a pessoa mude a sua postura durante os intervalos de 10 minutos, que levantem um pouco, caminhem e, se possível, façam os alongamentos, uma vez que eles permitem evitar desconfortos, ajudam a ativar a circulação e mobilizam as articulações em toda a sua amplitude, reduzindo assim a tensão.

Mas, afinal de contas, qual a postura correta de sentar-se à mesa? Ainda de acordo com a professora, “a cadeira deve ser adequada à altura da pessoa, pois os pés devem repousar confortavelmente no chão e os braços na mesa. As coxas devem permanecer paralelas ao solo e os joelhos dobrados em ângulo de 90 graus. Por fim, o quadril deve ficar o mais próximo possível do encosto da cadeira e não deixar os ombros caídos para a frente”, pontua.

Francisco Jr. demonstra um dos alongamentos

Quanto aos alunos, por mais que as vezes possa parecer muita coisa para lembrar ou o mesmo afirme que prefere assistir aula em sua própria cama, é necessário ter atenção, pois, como lembrado pela psicóloga Renata Laís, o processo de aprendizagem não ocorre somente através dos olhos. “Quando o aluno deita para estudar, por exemplo, ele fica mais relaxado e isso diminui o nível de concentração. Por isso a importância do aluno ter um lugar próprio para estudar, utilizando a postura correta. Um espaço bem organizado, onde as distrações diminuam”, conta.

A psicóloga, que compõe o grupo de profissionais idealizador do projeto, ainda explica que o projeto enxerga o estudante como um todo, entendendo que a saúde física afeta a saúde mental e vice-versa. “Uma das áreas de pesquisa da psicologia é a Ergonomia, que estuda a postura e como ela afeta na qualidade de trabalho. Por conta da semelhança das aulas remotas com o trabalho em home office, esse estudo também pode ser aplicado a situação atual dos alunos. Queremos proporcionar qualidade de vida e saúde tanto aos nossos professores como aos nossos estudantes”, completa.

Para dona Almerinda Barros, tia dos estudantes Francisco Júnior e Francisco Neto, ambos do 9º ano B do Ensino Fundamental, as orientações sendo enviadas são “de suma importância para o aproveitamento físico e mental, não só nos períodos de intervalos, mas também após as aulas”. Ainda segundo ela, “é notável as melhorias por conta das pausas para alongamento, pois o aluno fica mais esperto e mais focado na aula”.

Segundo os irmãos Francisco Júnior e Francisco Neto, essa mudança vem como um respiro entre as aulas. “Nós gostamos muito dessa mudança. Ficamos menos tempo na frente do computador e sentados na cadeira. É um momento de relaxar”, concluem os alunos.

Siga as dicas dos departamentos de Educação Física e Psicologia Escolar:

1. A pessoa deve mudar sua postura durante os intervalos de 10 minutos;

2. Durante os intervalos, levantem um pouco, caminhem e, se possível, façam alongamentos;

3. A cadeira usada para as aulas deve ser adequada à altura da pessoa, pois os pés devem repousar confortavelmente no chão e os braços na mesa.

4. Ao sentar, as coxas devem permanecer paralelas ao solo e os joelhos dobrados em ângulo de 90 graus e o quadril deve ficar o mais próximo possível do encosto da cadeira

5. Não deixar os ombros caídos para a frente ao sentar.

6. Procure ter uma cadeira ajustável, na qual você possa manter os pés apoiados no chão. Caso não seja possível, utilize algum objeto (caixas, livros) para apoiar os pés;

7. Uma boa iluminação é essencial, pois evita que a pessoa fique com sono e ajuda a evitar fadiga visual;

Fique atento também atento a:

1. O teclado e monitor devem ficar em frente à pessoa;

2. A altura do monitor deve estar alinhada à altura dos olhos da pessoa. Se estiver acima, gera cansaço na região e, caso esteja muito baixo, causa desgaste na musculatura do pescoço;

3. A distância entre a pessoa e o monitor deve ser mais ou menos igual a um braço de distância;

4. Afaste objetos que causam distrações, como celular, tablets, entre outros;

5. Procure estudar num lugar tranquilo onde não exista grande circulação de pessoas dentro de casa, como a cozinha, por exemplo.

Ficou curioso para conferir alguns dos vídeos produzidos pela nossa equipe com dicas de ginástica laboral? Confira abaixo!

Vídeo para estudantes:

Vídeo para professores: 

Deixe um comentário

0 Comentário

Fale conosco