Padre Angelo Imperiali: um legado de dedicação à educação e acolhida

23/04/2019 14:20:00 - Atualizada em 24/04/2019 11:23:05 - Por Ana Carolina Dias

Ângelo Luigi Imperiali, falecido no dia 22 de abril de 2019, em Fortaleza no Ceará, aos 94 anos, nasceu em 26 de maio de 1924, em Tradate (Varese), na Itália. Ingressou na Companhia de Jesus no dia 15 de setembro de 1945, em Vicenza, tendo seus primeiros votos realizados em 24 de setembro de 1947. Teve formação em Filosofia (Gallarate, Itália), Magistério (Instituto Leone XIII, Milano), Teologia (Chieri, To) e pós em Reciclagem em Pedagogia (Milano, Itália). Sua ordenação ocorreu em 10 de julho de 1955, em Gallarate, na Itália, pela imposição das mãos do então Cardial de Milão, Giovanni Battista Enrico Antonio Maria Montini, que mais tarde se tornaria o papa Paulo VI

Em 16 de setembro de 1956, chegou ao Brasil. Naquele mesmo ano, começou a atuar como professor no Colégio Antônio Vieira, em Salvador (BA), tornando-se mais tarde vice-diretor durante os anos de 1961 a 1963.  Veio para Teresina para assumir a direção do Colégio Diocesano: de 1964 a 1969. De 1972 a 1978, exerceu a função de professor de física e voltou a ser diretor de 1979 a 1985. Além disso, foi professor, administrador e reitor do Seminário Arquidiocesano da capital piauiense no período de 1995 a 1998.

Voltou à Bahia em 1989 para ser diretor do Colégio Antônio Vieira, em Salvador. No período de 2001 a 2014, foi orientador espiritual do Vieirinha, ecônomo, prefeito da saúde, assistente da direção, atuou no Serviço de Orientação Religiosa e Pastoral (SORPA), participou da campanha contra a fome e colaborou com o voluntariado no Colégio. De 1999 a 2000, em Capim Grosso, ainda na Bahia, foi pároco de São Cristóvão, vigário e orientador espiritual da “Comunidade do Peregrino”. Desde 2015, estava em Fortaleza (CE), na Comunidade de Saúde e Bem-Estar São Luiz Gonzaga.