Semana do Meio Ambiente: O cuidado com a Casa Comum

04/06/2020 11:23:00 - Atualizada em 04/06/2020 12:30:54 - Por Samira Ramos

Desde 1972, durante a primeira semana do mês de junho, somos motivados a refletirmos sobre os nossos recursos naturais: nossa fauna, nossa flora e a forma como estamos preservando os mesmos. Isto porque, no dia 5 de junho, é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente – data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), durante a Conferência sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, na Suécia.

A preocupação que surgiu há mais de 40 anos, se vê ainda mais necessária nos dias atuais, quando a natureza, equivocadamente considerada por alguns como fonte inesgotável de recursos, tem dado sinais de que está sofrendo nas mãos humanas. Incêndios florestais, desmatamento e o uso desenfreado de agrotóxicos se tornaram problemáticas recorrentes ao redor do mundo. No Brasil, por exemplo, vemos cada vez menos a valorização de nossa Floresta Amazônica, um dos mais ricos biomas do planeta.

Por conta disso, a igreja católica busca constantemente conscientizar a população. Ainda em 2015, na Carta Encíclica Laudato Si (Louvado seja), Papa Francisco fez um apelo para que a humanidade colabore na luta pela manutenção da Casa Comum, afirmando que o desafio de a proteger “inclui a preocupação de unir toda a família humana na busca de um desenvolvimento sustentável e integral”, lembrando também que “o Criador não nos abandona, nunca recua no seu projeto de amor, nem se arrepende de nos ter criado e, por isso, a humanidade possui ainda a capacidade de colaborar nessa construção”.

Dando continuidade a esse trabalho, em 2019 foi promovido o Sínodo da Amazônia – ocasião em que líderes católicos se reuniram para discutir sobre a realidade da região. O Sínodo da Amazônia foi estabelecido em cima de quatro pilares: Conhecer a riqueza da região e, principalmente, dos povos indígenas; Reconhecer as lutas e resistências dos povos da Amazônia, que há anos sofrem com a colonização e projetos desenvolvimentistas pautados na exploração desmedida; Conviver no modo de ser de seus povos e com uso compartilhado dos recursos; e, principalmente, Defender a Amazônia, seu bioma e seus povos ameaçados em seus territórios.

A preocupação com a Casa Comum é levada pela Companhia de Jesus para dentro de suas obras, tendo como eixo central da sua Missão, em todas as suas frentes de ação, como serviço da fé e promoção da Justiça Socioambiental. Por meio de projetos e vivências, todas as obras buscam desenvolver e colaborar com a causa. As reflexões jesuítas sobre as temáticas também são expostas por meio de matérias e artigos publicados e disponibilizados para leitura.

Nos links abaixo, você pode conferir algumas dessas reflexões acerca da temática. Os textos estão em português, inglês e espanhol. Boa leitura!

Nossa “Casa Comum” está em chamas;

Não se nasce amazônida, torna-se;


Relatório de Justiça Socioambiental
;


Strategic Plan 2019-2023;


Revista Aurora;


Revista Mediação, “Uma Nova Consciência Social e Planetária” (Colégio Medianeira)
;


Revista Mediação, “Lixo, uma questão de design e mudança de mentalidade” (Colégio Medianeira);




Deixe um comentário

0 Comentário

Fale conosco